Armazenamento e queima de gordura, como funciona o corpo humano
29 de Abril de 2017
Dietas Low-Carb, porque ela funciona a curto prazo?
29 de Abril de 2017
Exibir tudo

Doença reumática

Por muitos anos pacientes que continham doenças reumáticas, sobretudo, as inflamatórias ( lúpus, miopatias inflamatórias, espondilites, artrite reumatoide, entre outras, eram proibidos de realizar treino de musculação.

Essa proibição se baseava na premissa que o treino de força poderia vir a piorar a doença, mas, depois de inúmeros estudos, sabemos que hoje, o exercício físico é benéfico, levando também a melhora da qualidade de vida desses pacientes.

Sedentarismo & Doença reumática

As doenças reumáticas não tem tem cura, e cada uma delas, apresenta um quadro clínico diferente, mas alguns sintomas são comuns entre esses pacientes como; fadiga exacerbada, baixa capacidade física, perda de massa muscular e desordens metabólicas, e entre outras.

As doenças cardiovasculares  representam a maior causa da mortalidade para os pacientes com essas doenças. E para piorar esse quadro, os médicos tem um pouco de receio para prescrever treino de musculação para esse paciente.

Isso acontece por medo de levar esse paciente a um quadro de fadiga alta, mas o grande problema é que esse comportamento só estimula o sedentarismo nessa população. Como sabemos o sedentarismo acaba os levando a piora de todos os sintomas clínicos e do risco cardiovascular, em um círculo vicioso.

Musculação & Doenças reumáticas

Os estudo mais recente já mostram que o treino de força não agrava o processo inflamatório. E que é seguro para os pacientes com esse tipo de doença.

Além disso, vários estudos mostraram que o treino de musculação não “ piora “ a inflamação nesses pacientes, muito pelo contrário, pode até fazer com que o quadro inflamatório, melhore.

Diversos estudos nos mostram e confirmam a melhoria dos sintomas dessas doenças, e a confirmação de que a atividade física pode mudar, e muito, a vida de uma pessoa, a tirando do sedentarismo e a melhora da saúde, em qualquer que seja seu quadro clínico.

Claro, é necessário a procura de um profissional da área, e ainda assim, ter a liberação do seu médico. Além de tudo isso, o exercício físico ajuda na diminuição dos sintomas clínicos, pois leva a preservação muscular, aumenta a capacidade física, diminui a fadiga, com essa melhoria, ainda pode reduzir o risco de desenvolvimento de doenças cardiovasculares.

Conclusão

O que podemos concluir é que não existem mais dúvidas do quanto a atividade física pode ajudar e ainda melhorar a qualidade de vida, de quem tem até doenças incuráveis. Se você tem ou conhece alguém que tenha algumas dessas doenças citadas à cima, aconselhe e recomende: procure um profissional qualificado e se renda à atividade física.

Bibliografia:

Benatti FB, Pedersen BK. Exercise-induced myokines and their anti-inflammatory effects: focus on rheumatic diseases. Nat Rev Rheumatol. 2015; 11(2):86-97.

Perandini LA, de Sá-Pinto AL, Roschel H, Benatti FB, Lima FR, Bonfá E, Gualano B. Exercise as a therapeutic tool to counteract inflammation and clinical symptoms in autoimmune rheumatic diseases. Autoimmun Rev. 2012 Dec;12(2):218-24.

Perandini LA, Sales-de-Oliveira D, Mello SB, Camara NO, Benatti FB, Lima FR, Borba E, Bonfa E, Sá-Pinto AL, Roschel H, Gualano B. Exercise training can attenuate the inflammatory milieu in women with systemic lupus erythematosus. J Appl Physiol (1985), v. 117, p. 639-647, 2014.

Portador doença reumática pode fazer musculação?

Rodrigo Ramos
Rodrigo Ramos

Sou Graduado em Educação física e Pós-graduado em Fisiologia do Exercício e Reabilitação Cardíaca. Atuei por mais de 10 anos na Reabilitação Cardíaca e no ensino superior ministrando aulas na Graduação e Pós Graduação nas disciplinas de fisiologia do exercício, treinamento desportivo e avaliação das capacidades física.
Trabalho como personal trainer a mais de 15 anos na cidade de Santos, em 2012 fundei o site wwwmusculacaoonline.com.br para oferecer um serviço de personal trainer com suporte online.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *