Planilha de treino online: Quanto devo investir no meu corpo?
22 de Abril de 2018
Como aumentar as coxas e glúteos? O Professor responde!
22 de Abril de 2018

Avaliação a composição corporal de alunos obesos é um desafio ao personal trainer online, nesse artigo vamos discutir como usar as equações de circunferência para avaliar a composição corporal.

Composição corporal

Vários estudiosos concordam que a técnica de dobras cutâneas não deve ser utilizada na estimativa da gordura corporal em obesos. Com o aumento dos níveis de adiposidade, a proporção entre o tecido adiposo subcutâneo e o total se modifica, afetando conseqüentemente a relação entre o somatório de dobras cutâneas e a densidade corporal. Além disso, a aplicabilidade do método de dobras cutâneas em indivíduos obesos é limitada pelas seguintes razões:

  1. A identificação do sítio de medida e a palpação dos acidentes ósseos são mais difíceis em indivíduos obesos
  2. A espessura da dobra cutânea pode ser maior do que a abertura máxima da maioria dos compassos e pode não ser possível destacar a dobra cutânea dos tecidos abaixo da mesma
  3. Há uma maior variação na profundidade em que as pontas do compasso devem ser colocadas na dobra
  4. A variabilidade na composição do tecido adiposo pode afetar a compressibilidade da dobra cutânea
  5. Aá uma maior variabilidade entre avaliadores ao medirem maiores espessuras de dobra cutânea

Em função das limitações apresentadas, a utilização de circunferências pode ser extremamente útil na avaliação da gordura corporal em indivíduos extremamente obesos, visto a sua maior aplicabilidade e acurácia.

Uma interessante proposta, neste sentido, foi apresentada por Weltman et al (1987). Esses autores desenvolveram uma equação para homens obesos (de 30 a 45% de gordura corporal), com idade entre vinte e quatro a sessenta e oito anos, utilizando circunferências abdominais e peso corporal como preditores.

Posteriormente, Weltman et al (1988) em estudo similar envolvendo mulheres de vinte a sessenta anos, desenvolveram outra equação antropométrica para estimar a gordura corporal em obesas. Esta equação envolveu uma combinação e circunferências abdominais, peso corporal e estatura.

As equações utilizam dois sítios de medidas. O primeiro consiste na circunferência abdominal entre o processo xifóide e o umbigo e o segundo, na circunferência abdominal ao nível do umbigo. A seguir apresentamos as equações de Weltman et al. (1987,1988), que podem ser úteis para os treinadores personalizados que necessitam acompanhar os efeitos dos programas de exercícios e dietas sobre a composição corporal de alunos obesos. Lembramos que as mesmas só devem ser aplicadas em indivíduos com percentual de gordura a partir de 30%.

Equação para Homens

  • % gordura = 0,31457 (MCA) – 0,10969 (PC) + 10,8336

Equação para Mulheres

  • % gordura = 0,11077 (MCA) – 0,17666 (E) + 0,14354 (PC) + 51,03301, onde: MCA = média das circunferências abdominais (cm)
  • PC = peso corporal (kg)
  • E = estatura (cm)

Interpretação dos Dados de Composição Corporal

Devido à falta de equações para a estimativa da densidade corporal e do percentual de gordura que atendam às peculiaridades da população brasileira, os modelos propostos por Jackson & Pollock (1978) e Jackson, Pollock & Ward (1980) podem ser utilizados para a estimativa da densidade corporal. Posteriormente, o cálculo do percentual de gordura poderá ser efetuado pela equação de Siri (1961).

As medidas circunferenciais também podem ser usadas na predição da gordura corporal. Entretanto, a não ser nas obesidades severas onde não é possível medir as dobras cutâneas, as circunferências podem ser mais fidedignas.Em se tratando de não-atletas, a literatura sugere como padrões médios de gordura valores que estão em torno de 16% e 23% para homens e mulheres, respectivamente (POLLOCK & WILMORE, 1993).

No entanto, a quantidade de gordura pode variar bastante em função da idade, dos padrões de saúde, da prática de atividade física e do que se entenda por uma estética corporal adequada. Mais importante que determinar o percentual de gordura ideal, é ter o conhecimento das faixas onde poderemos classificar o indivíduo e, dentro das mesmas, encontrar o valor que mais se adequa a ele. Com esse objetivo, adotaremos como referência a descrição apresentada a seguir.

Por vezes, valores expressos em tabelas específicas podem não ser a melhor forma para determinarmos qual o percentual de gordura adequado ao nosso aluno. Quando os dados de uma tabela não se ajustarem à realidade em questão, devemos realizar um acompanhamento longitudinal para então estabelecermos qual a meta final a ser atingida quanto à redução da gordura.

Um conselho prático é não exagerar na hora de estabelecer o quanto o avaliado deverá perder. Dessa forma, pode-se trabalhar com objetivos a curto, médio e longo prazo. Em função dos resultados obtidos com o treinamento, poderá ser determinado com maior exatidão o valor alvo de gordura a ser alcançado pelo praticante. A partir do momento em que o avaliador já conhece seu aluno, fica mais fácil precisar as suas metas.

Padrões de % de Gordura para Homens

Classificação Idade (anos)
18-25 26-35 36-45 46-55 56-65
Excelente 4-9 8-13 10-16 12-18 13-19
Boa 10-12 14-17 17-20 19-22 20-22
Na Média 13-16 18-21 21-23 23-25 23-26
Ac. da Média 17-21 22-25 24-27 26-28 27-29
Excessivo 22-28 26-30 28-32 29-34 30-35

(Adaptado de Golding et al, 1989)

Padrões de % de Gordura para Mulheres

Classificação Idade (anos)
18-25 26-35 36-45 46-55 56-65
Excelente 13-17 14-18 16-20 17-23 18-24
Bom 18-21 19-22 21-25 24-27 25-28
Na Média 22-25 23-26 26-29 28-31 29-32
Ac. da Média 26-29 27-31 30-34 32-35 33-36
Excessivo 30-37 32-39 35-41 36-42 37-41

(Adaptado de Golding et al, 1989)

Conclusão

Avaliar alunos obesos sempre vai se um desafio para o personal trainer, muito mais importante que saber a composição corporal do seu aluno é ter como controlar a espessura da dobra cutânea. Afinal se nas reavaliações as dobras diminuírem o seu aluno estará emagrecendo e isso que importa.

Leia mais

Rodrigo Ramos
Rodrigo Ramos
Sou Graduado em Educação física e Pós-graduado em Fisiologia do Exercício e Reabilitação Cardíaca. Atuei por mais de 10 anos na Reabilitação Cardíaca e no ensino superior ministrando aulas na Graduação e Pós Graduação nas disciplinas de fisiologia do exercício, treinamento desportivo e avaliação das capacidades física. Trabalho como personal trainer a mais de 15 anos na cidade de Santos, em 2012 fundei o site wwwmusculacaoonline.com.br para oferecer um serviço de personal trainer com suporte online.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *