QUANTOS EXERCÍCIOS PARA O QUADRÍCEPS CRESCER?
7 de janeiro de 2024
CREATINA E HIPERTROFIA MUSCULAR: GUIA COMPLETO
8 de janeiro de 2024

A condromalácia patelar, comumente conhecida como “joelho de corredor”, é uma condição que afeta a cartilagem da patela (rótula) e é de particular interesse para quem pratica musculação. Este guia detalhado explora as causas, sintomas, tipos, consequências de não tratá-la e estratégias eficazes de tratamento.

Se você quer baixar um treino 100% gratuito, CLIQUE AQUI e baixe treinos gratuitos para hipertrofia feminina

Causas da Condromalácia Patelar:

A condromalácia patelar é um problema comum que afeta a cartilagem da patela, e suas causas são multifatoriais. Primeiramente, desalinhamentos na patela, que podem ser devido a uma anatomia anormal do joelho, quadris, ou pés, resultam em distribuição desigual da carga sobre a cartilagem.

Essa foto mostra como acontece a condromalácia patelar
Essa foto mostra como acontece a condromalácia patelar

Adicionalmente, fraquezas musculares, principalmente nos quadríceps e glúteos, contribuem para uma estabilidade inadequada do joelho, aumentando o risco de sobrecarga na patela. O uso excessivo, comum em atletas que praticam esportes de alto impacto, como corrida e saltos, pode acelerar a degeneração da cartilagem. Lesões diretas no joelho, como quedas ou impactos, também podem danificar a cartilagem. 

Por fim, características anatômicas individuais, como um ângulo de quadril aumentado ou pronação excessiva dos pés, mais comum em mulheres podem predispor à condição, alterando a mecânica do joelho e aumentando o estresse na patela. Todos esses fatores contribuem para o desenvolvimento da condromalácia patelar, tornando essencial a avaliação individualizada para um tratamento efetivo.

Tipos de Condromalácia Patelar:

A condromalácia é categorizada em quatro graus, baseados na severidade da degeneração da cartilagem:

  • Grau I: Amolecimento e edema da cartilagem patelar.
  • Grau II: A cartilagem começa a se fragmentar e mostrar fissuras superficiais.
  • Grau III: Fissuras profundas na cartilagem, que podem se estender até o osso.
  • Grau IV: Erosão completa da cartilagem, expondo o osso subcondral.

Sintomas:

Os sintomas mais comuns incluem:

  • Dor anterior no joelho, agravada por atividades como subir escadas, agachar ou após períodos prolongados sentado.
  • Sensação de crepitação ou estalos ao movimentar o joelho.
  • Inchaço e sensibilidade na área da patela.

Consequências de Não Tratar:

A ausência de tratamento adequado pode resultar em dor crônica, limitação de movimento e, em casos graves, progressão para osteoartrite devido à degeneração articular contínua.

Tratamento:

O manejo eficaz da condromalácia patelar envolve várias abordagens:

  • Fortalecimento Muscular: Focar no fortalecimento dos quadríceps e glúteos para melhorar a estabilidade do joelho. Exercícios de fortalecimento devem ser realizados com cautela para evitar sobrecarga.
  • Exercícios de Alongamento: Alongar os músculos ao redor do joelho para diminuir a tensão e melhorar a flexibilidade.
  • Adaptações no Treinamento de Musculação: Incluir exercícios de baixo impacto e evitar aqueles que impõem estresse excessivo na patela, como agachamentos profundos e saltos.
  • Uso de Órteses: Joelheiras podem ser úteis para reduzir a pressão sobre o joelho durante o exercício.
  • Calçado Adequado: Utilizar calçados que ofereçam suporte e amortecimento adequados.
  • Tratamento Médico: Em casos mais severos, pode ser necessário o uso de medicamentos anti-inflamatórios, fisioterapia especializada ou, em situações extremas, intervenção cirúrgica.

Musculação e Condromalácia:

Para praticantes de musculação com condromalácia, é crucial adaptar os treinos:

  • Exercícios Recomendados: Leg press com ângulo limitado, extensões de perna na máquina com carga leve, exercícios isométricos para quadríceps.
  • Depois que a dor passar você pode treinar normalmente, evitando atividades
  • Exercícios a Evitar: Evitar exercícios de alto impacto e aqueles que forçam demais a patela, como agachamentos profundos e lunges.

Referências Bibliográficas:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

× Como posso te ajudar?