Papel da eletroestimulação neuromuscular na reparação muscular
23 de fevereiro de 2018
Treino de peito – anatomia e exercícios
23 de fevereiro de 2018

No treinamento de hipertrofia para mulheres utiliza-se uma variedade de exercícios e recursos que têm como objetivo o aumento da massa muscular das pernas e glúteos. Esse aumento ocorre por um processo chamado de adaptação que é simplesmente a resposta à um estímulo.

Especificidade do treino

Por exemplo, se você executar um levantamento utilizando um peso de 40% da carga máxima, estimada em uma repetição máxima, para 30 repetições, seus músculos se adaptam à nova carga, por aumentar seu metabolismo de carboidratos.

Um aumento da atividade das enzimas e transporte do sangue, permitem ao músculo se adaptar a essa forma de treinamento. Em contrapartida, se você treinou para potência e força máxima, utilizando 1-2 repetições a 90-100% da carga máxima, você treinará seus sistemas de energia de adenosina de trifosfato e fosfato de creatina (ATP – CP).

Um aumento nos fatores neuromusculares resultariam dessa forma em um treinamento de alta-intensidade. Uma das razões principais para a estagnação do desenvolvimento da massa e força, é que gradualmente o corpo se adapta à carga de treinamento.

Os métodos e exercícios se tornam regulares e a reação não é tão forte quanto a do início. A reação e a pequena fadiga nos músculos, são o resultado do pequeno sobre-esforço, além do que o músculo está acostumado.

Até os mais efetivos exercícios e métodos, se aplicados à longo prazo, não nos levaria ao progresso, e sim, acabaria nos levando à. barreira da hipertrofia muscular.

Fadiga e catabolismos

A fadiga, como um mecanismo fisiológico que protege o corpo do excesso de tensão, é uma consequência do trei­namento. Ela promove a reação de adaptação e estimula a capacidade de trabalhar com ganhos musculares. Sem a fadiga não haverá o efeito do treinamento.

A fadiga aumenta o catabolismo de proteína muscular e este é peça importante para a recuperação própria, levando à supercompensação e à um novo estado de trabalho, estímulos diferentes tem sua única, própria velocidade de recuperação.

Quanto mais rápido o fisiculturista se recupera, melhor será a adaptação do corpo, para o próximo trabalho. Para um fisiculturista experiente que treina em uma alta intensidade, poderão haver dois estágios preparatórios:

  • A melhora na capacidade de treinamento e na capacidade de crescimento muscular, ocorrerá se os recursos de recuperação providenciarem ao corpo um bom suprimento de energia;
  • 0 corpo será levado a fadiga e catabolismos excessivos, se recursos de recuperação não forem utilizados adequadamente.

Tipos de séries

No caso do treinamento para aumentar a massa muscular, o aumento no tamanho da célula muscular é mais facilmente alcançado pela repetição de exercícios 8-12 (10 a 60 segundos) com pausa de 1-2 minutos, que utilizará principalmente a ener­gia glicólica do metabolismo.

O uso de exercícios de repetição de média-extensão, resultam em um prejuízo significativo à célula muscular, que, se permitida a recuperar-se devidamente, irá adaptar-se a situação pelo aumento de tamanho.

Se tiver que treinar com alta intensidade (como no levantamento de peso Olím­pico), utilizando 1-3 repetições, você desenvolve potência ou força máxima, mas não construirá o tamanho máximo do músculo.

Igualmente, exercícios com muitas repetições (15- 30) desenvolvem um tipo de músculo de maior resistência, capaz de queimar gordura como energia, e os músculos também não atingem o seu tamanho máximo.

Será que isso quer dizer que, só deveria treinar utilizando 8-12 repetições, porque aí se encontra a chave para crescer o músculo? A resposta é não. Para provocar a adaptação desejada, que é um aumento em tamanho muscular, você deverá treinar na maior parte do tempo, nesse parâmetro de 8-12 repetições. Contudo, se seu programa não é variar e não incluir uma boa mistura de alta intensidade, você irá adaptar-se a um certo nível e diminuirá o crescimento e/ou irá parar tudo ao mesmo tempo.

Se isso ocorrer é porque você permaneceu muito tempo no ponto de adaptação e resultou na barreira da hipertrofia muscular ou platô, coisa que você não desejava de forma alguma. Alguns treinamentos para força (3-5 repetições) e alguns para o fluxo (15-20 repetições), oferecem boa variedade dentro do plano de treinamento.

O treinamento pode ser variado até dentro de uma série de exercícios. Por exemplo, a rotina de LEG-PRESS poderá ser alternada com 5 séries de 8 repetições, compondo séries de 8, 10, 8, 7 e 7.

Muitas alunas cometem o erro de aumentar o volume de treinamento para transpor o platô. Seu pensamento é, se o programa funcionou antes, deveria funcionar novamente.

É ótimo ter uma forte ética de trabalho, mas nem sempre é efetivo quando se trata do aumento da massa. O pensamento mais inteligente é a manipulação do treinamento e dos processos recuperativos. Isso sempre será melhor. ^

Por um melhor planejamento e constante reavaliação do mesmo, você poderá transpor a barreira da hipertrofia muscular e atingir ganhos mais significativos no tamanho da massa muscular. A chave será adicionar um certo tipo de variedade para seu programa, no melhor tempo e com carga adequada. Isso incluirá manipulação do treinamento, recuperação e fatores mentais, que serão discutidos na sequência.

Conclusão

A aplicação efetiva do treinamento e recuperação, incorpora um detalhado e cuidadoso caminho de treino. Isso não é somente para análises futuras, mas também como um controle sobre a execução do programa e correções individuais.

  • A Séries escritas em frações 90/8-3, correspondem à carga de 90Kg por 8 repetições em tês séries. Se o mesmo peso não é Levantado o mesmo número de repetições em cada série, é escrito: 90/7,8-5,3.
  • Volume é calculado em quilogramas. Trata-se do número de levantamentos multiplicado pelo total do peso. Por exemplo, um trabalho de agachamentos 196/4-3 (carga de 196Kg por 4 repetições em três séries,), correspondente à 196 x 12 = 1636 kg.
  • Intensidade da carga, é determinada pela divisão do peso levantado pelo Número de Levantamentos (NL). Por exemplo, se você agachar com 136 Kg e realizar 10 repeti­ções em três séries, a intensidade é de 453 Kg. E mais: 154/7-2, 172/10-2.

A distribuição de levantamentos por zonas de intensida­de é: Força (1-5 reps, 85-100% Carga Máxima), Massa (8-12 reps, 70-80% Carga Máxima), Duração – Resistência (15-30 reps, 40-50% Carga Máxima). Essas zonas ajudam a avaliar melhor e de forma objetiva a média de pesos levantados durante a semana, mês, macrociclo, etc. Há um número de variáveis que se aplicam ao treinamento de carga e recuperação e incluem as seguin­tes variáveis:

  • – Peso levantado como % de uma única repetição máxima;
  • – Número de repetições na série;
  • – Número de série por exercícios;
  • – Número e variedade de exercícios por partes do corpo;
  • – Velocidade da execução;
  • – Ordem dos exercícios dentro da sessão de treinamento;
  • – Descanso entre as séries, exercícios, partes do corpo e sessões de treinamento;
  • – Recursos de recuperação mecânicas utilizados;
  • – Recursos naturais de recuperação utilizados;
  • – Dieta (variedade, quantidade, tempo e proporção);
  • – Farmacologia desportiva;
  • – Estado mental (objetivo estabelecido, redução de estresse, visualização, etc).

Fica claro que o controle das variáveis do treino não é fácil e por isso é fundamental ele seja realizado por um personal trainer.

Rodrigo Ramos
Rodrigo Ramos
Sou Personal Trainer, especialista em programas de hipertrofia e definição muscular. Se tiver alguma dúvida CLICA NO ÍCONE DO WHATSAPP no canto inferior DIREITO da tela OU na imagem no meio do POST para falar diretamente comigo! Boa leitura!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

× Como posso te ajudar?